terça-feira, 30 de abril de 2013

Nesse sábado dia 27, nos estúdios da Rádio Educadora do cariri, no programa Gente da Gente de apresentação do compadre e poeta Aldemá de Moraes, tivemos a participação da nossa ilustre poetiza Josenir Lacerda e do Galeguinho aboiador,


 do Sítio Coqueiro, do município de Crato, que nos abrilhantou com seu talento, dando a nós, uma prova viva que a prática do improviso do aboiador nordestino ainda vive
video
.Logo em seguida, pequeno trecho em sextilha com Galeguinho Aboiador e o poeta Marlon Torres...

video


Café conVERSO na casa de vó

Dia 20/04, realizamos a primeira edição do Café conVERSO na casa de vó, na casa da professora Liduina e na mesma realização, comemoramos seu aniversário.Uma autêntica festa cultural.Ulisses Germano e Antonio piaba nos abrilhantaram com seu instrumentos.E o mestre Aldenir, encheu literalmente nossos olhos com uma aula-espetáculo sobre algumas peças do reisado esquecidas no tempo, mas não em sua memória.







video

segunda-feira, 8 de abril de 2013



Reunião Academia dos Cordelistas do Crato
Data: 04 de abril de 2013
Local: Secretaria de Cultura do Crato
Programa Gente da Gente
Com apresentação de Aldemá de Morais
Nos controles, Roberto Barreto
Francisca Souza e o seu café donzelo com tapioca

sábado, 6 de abril de 2013


Numa certa hora, sentados naqueles tamboretes de couro de bode no alpendre da casa, o compadre Aldemá de Moraes e Marlon Torres, dando fé das galinhas ciscando no terreiro e vendo o sol indo em busca da cama do horizonte, começaram a recordar de coisas de suas infancias nesse sertãozão de meu Deus.Tendo a ideia do seguinte mote: Tudo isso faz lembrar
                                                          O lugar que fui criado.
E se deu mais ou menos assim:



AM-Rangido de galamarte
       Brincadeira de bicheira
       Tudo isso é brincadeira
       Que da minha vida fez parte
       Menino tu faz um arte!
       Fica num canto sentado.
      O meu pai preocupado
      Tentando me ajudar
      Tudo isso faz lembrar
      O lugar que fui criado.

MT-Uma casa arrodeada
       Por um alpendre de palha
       E no chão uma cangalha
      Numa parede escorada
      Uma galinha arranchada
      Num carro de boi parado
      Com o seu eixo quebrado
      De tudo tanto levar
      Tudo isso faz lembrar
      O lugar que fui criado.

AM-Um caçuá cheio de milho
       No terreiro da cozinha
       Um chiqueiro de galinha
       Uma vaca e um novilho
       A vaca lambendo o filho
       Na sua mão arreado
       Um caboclo acocorado
       Tentando o leite tirar
       Tudo isso faz lembrar
       O lugar que eu fui criado

MT-Dez patinhos em fileira
       Um caboré numa estaca
       A caçada de arataca
       De bodoque ou baladeira
       Chapéu de couro e perneira
       Do vaqueiro pegar gado
       E um altar preparado
       Pra matutada rezar   
       Tudo isso faz lembrar
       O lugar que fui criado.

AM-Uma porca amojada
        Na semana de dar cria
        Quase amanhecendo o dia
        Ela fica aperreada
       Depois despeja a "ninhada"
       Bacurim pra todo lado
       Uns vermelho, outros lavrado
       Na porca, pega a fuçar
       Tudo isso faz lembrar
       O lugar que eu fui criado

MT-A debulha de feijão
       Cantoria com bandeja
       Pechincha la na igreja
       Comício, renovação
       Fogueira de são João
       E festa de batizado
       Forró, cordel e reizado
       Latada pra se dançar
      Tudo isso faz lembrar
     O lugar que eu fui criado
VII
AM-O homem acordar bem cedo
       Amola uma roçadeira
       Se embrenhar na capoeira
       Sem de nada ele ter medo
       Pisa por cima do bredo
       No caminho do roçado
       Não se queixar de cansado
       Na hora de se deitar
       Tudo isso faz lembrar
       O lugar que eu fui criado   

MT-Riacho, açude, barreiro
       Foice, facão, enxada
       Celote, gibão, laçada
       Gaiola, visgo, puleiro
       Zabumba, 'pife', pandeiro
       Tatu, cotia, veado
      Cepo, madeira, machado
       Lenha pra se conzinhar
      Tudo isso faz lembrar
      O lugar que fui criado.

AM-História de assombração
       Em casa abandonada
       Na beira de uma estrada
       Numa roça de algodão
       Pra tirar a conclusão
       Um cabra encorajado
       Bota a peixeira do lado
       Pula a cerca e vai olhar
       Tudo isso faz lembrar
       O lugar que eu fui criado
  X
MT-Fuxico de 'mei' de feira
       Fiado em pé de bodega
       História de cobra cega
       Fé de velha rezadeira
       Sabão feito de aroeira
       Pinguço de 'zoi' trocado 
       Jumento puxando arado
       Pro matuto trabalhar
       Tudo isso faz lembrar
       O lugar que fui criado.
 
AM-Uma galinha se "espojando"
        Na tarde que vai chover
        Uma cabra sem querer
        O cabrito apojando
        Por cima dele pulando
        Correndo pra lado
        E o cabrito agarrado
        Na teta para mamar
       Tudo isso faz lembra
       O lugar que eu fui criado

MT-Depois de fazer manobra
       A saúva de sopapo
       Caiu na língua do sapo
       Que entrou na boca da cobra
       Niguém interfere a obra   
       Do gavião Preparado
       O pinto vira finado
       Se no bote ele pensar
       Tudo isso faz lembrar
       O lugar que fui criado.