sexta-feira, 2 de agosto de 2013

4º Café conVerso na casa de vó



A quarta edição do Café conVerso na casa de vó, aconteceu na Sociedade de Cratense de Apoio ao Necessitado (SCAN), na cidade de Crato-CE, com muito coco de roda, poesia, humor e repente.Obrigado a todos que nos apoiaram!








Poeta Zé Govin e Seu Zezé (apresentador dos programas acorda nordeste às 5 da manhã e festa no sertão às 16hrs na rádio educadora do cariri 1020AM)


                                                     Humorista Tranquilino Ripuxado

  Professor, músico e arte educador Ulisses Germano

Reporter Franzé de Souza, Professora Liduína e Aldemá de Morais, Poeta cordelista e apresentador do Programa Gente da gente, na rádio Educadora do cariri, todos os sábados às 8hs da manhã.

sábado, 27 de julho de 2013


Bumba-Meu-Boi Brilho da Ilha, no Maranhão.

Vestido nas cores vermelho, laranja, amarelo e preto, o Boi apresenta-se no sotaque de orquestra com um corpo de baile de 80 pessoas e 120 componentes no total.O Brilho da Ilha é um grupo de Bumba-Meu-Boi referência no seu sotaque e premiado em festivais internacionais de folclore.Em seu currículo de apresentações, países como: Portugal, Alemanha, Holanda, França, Bélgica, Eslováquia, Eslovênia, Croácia, Áustria, México, além da Itália, onde ganhou dois prêmios inéditos para o Brasil disputando com 35 nações e sendo recebido por sua santidade, o Papa Bento XVI.

quarta-feira, 12 de junho de 2013


No dia 16/05, na Cordel e Arte, foi realizado a segunda edição do Café conVerso na casa de vó e mais uma vez, uma autêntica demonstração da grandeza da cultura nordestina, com contação de causos, declamação, cantoria de repente e o mais importante, a presença notável de grandes nomes da cultura caririense. Segue, videos de cantoria e declamações.





Quadrão perguntado: Aldemá de Morais e Marlon Torres

video

Havia um vídeo da declamação do Poeta Luciano Carneiro, de um poema intitulado Seu Vicente e Dona Zefa, de sua autoria.Mas, o blog não aceitou receber o vídeo por motivos desconhecidos.Tentarei em outra oportunidade.









sábado, 11 de maio de 2013

Nesse sábado, dia 11 de maio, o programa aconteceu no bairro muriti, nas praça da igreja Nossa Sra. da Conceição, em homenagem ao Mestre Dedé de Luna com presença do sanfoneiro Epitácio Pessoa e o reisado do Mestre Dedé de Luna, sob o comando da Mestra Mazé.


video

terça-feira, 30 de abril de 2013

Nesse sábado dia 27, nos estúdios da Rádio Educadora do cariri, no programa Gente da Gente de apresentação do compadre e poeta Aldemá de Moraes, tivemos a participação da nossa ilustre poetiza Josenir Lacerda e do Galeguinho aboiador,


 do Sítio Coqueiro, do município de Crato, que nos abrilhantou com seu talento, dando a nós, uma prova viva que a prática do improviso do aboiador nordestino ainda vive
video
.Logo em seguida, pequeno trecho em sextilha com Galeguinho Aboiador e o poeta Marlon Torres...

video


Café conVERSO na casa de vó

Dia 20/04, realizamos a primeira edição do Café conVERSO na casa de vó, na casa da professora Liduina e na mesma realização, comemoramos seu aniversário.Uma autêntica festa cultural.Ulisses Germano e Antonio piaba nos abrilhantaram com seu instrumentos.E o mestre Aldenir, encheu literalmente nossos olhos com uma aula-espetáculo sobre algumas peças do reisado esquecidas no tempo, mas não em sua memória.







video

segunda-feira, 8 de abril de 2013



Reunião Academia dos Cordelistas do Crato
Data: 04 de abril de 2013
Local: Secretaria de Cultura do Crato
Programa Gente da Gente
Com apresentação de Aldemá de Morais
Nos controles, Roberto Barreto
Francisca Souza e o seu café donzelo com tapioca

sábado, 6 de abril de 2013


Numa certa hora, sentados naqueles tamboretes de couro de bode no alpendre da casa, o compadre Aldemá de Moraes e Marlon Torres, dando fé das galinhas ciscando no terreiro e vendo o sol indo em busca da cama do horizonte, começaram a recordar de coisas de suas infancias nesse sertãozão de meu Deus.Tendo a ideia do seguinte mote: Tudo isso faz lembrar
                                                          O lugar que fui criado.
E se deu mais ou menos assim:



AM-Rangido de galamarte
       Brincadeira de bicheira
       Tudo isso é brincadeira
       Que da minha vida fez parte
       Menino tu faz um arte!
       Fica num canto sentado.
      O meu pai preocupado
      Tentando me ajudar
      Tudo isso faz lembrar
      O lugar que fui criado.

MT-Uma casa arrodeada
       Por um alpendre de palha
       E no chão uma cangalha
      Numa parede escorada
      Uma galinha arranchada
      Num carro de boi parado
      Com o seu eixo quebrado
      De tudo tanto levar
      Tudo isso faz lembrar
      O lugar que fui criado.

AM-Um caçuá cheio de milho
       No terreiro da cozinha
       Um chiqueiro de galinha
       Uma vaca e um novilho
       A vaca lambendo o filho
       Na sua mão arreado
       Um caboclo acocorado
       Tentando o leite tirar
       Tudo isso faz lembrar
       O lugar que eu fui criado

MT-Dez patinhos em fileira
       Um caboré numa estaca
       A caçada de arataca
       De bodoque ou baladeira
       Chapéu de couro e perneira
       Do vaqueiro pegar gado
       E um altar preparado
       Pra matutada rezar   
       Tudo isso faz lembrar
       O lugar que fui criado.

AM-Uma porca amojada
        Na semana de dar cria
        Quase amanhecendo o dia
        Ela fica aperreada
       Depois despeja a "ninhada"
       Bacurim pra todo lado
       Uns vermelho, outros lavrado
       Na porca, pega a fuçar
       Tudo isso faz lembrar
       O lugar que eu fui criado

MT-A debulha de feijão
       Cantoria com bandeja
       Pechincha la na igreja
       Comício, renovação
       Fogueira de são João
       E festa de batizado
       Forró, cordel e reizado
       Latada pra se dançar
      Tudo isso faz lembrar
     O lugar que eu fui criado
VII
AM-O homem acordar bem cedo
       Amola uma roçadeira
       Se embrenhar na capoeira
       Sem de nada ele ter medo
       Pisa por cima do bredo
       No caminho do roçado
       Não se queixar de cansado
       Na hora de se deitar
       Tudo isso faz lembrar
       O lugar que eu fui criado   

MT-Riacho, açude, barreiro
       Foice, facão, enxada
       Celote, gibão, laçada
       Gaiola, visgo, puleiro
       Zabumba, 'pife', pandeiro
       Tatu, cotia, veado
      Cepo, madeira, machado
       Lenha pra se conzinhar
      Tudo isso faz lembrar
      O lugar que fui criado.

AM-História de assombração
       Em casa abandonada
       Na beira de uma estrada
       Numa roça de algodão
       Pra tirar a conclusão
       Um cabra encorajado
       Bota a peixeira do lado
       Pula a cerca e vai olhar
       Tudo isso faz lembrar
       O lugar que eu fui criado
  X
MT-Fuxico de 'mei' de feira
       Fiado em pé de bodega
       História de cobra cega
       Fé de velha rezadeira
       Sabão feito de aroeira
       Pinguço de 'zoi' trocado 
       Jumento puxando arado
       Pro matuto trabalhar
       Tudo isso faz lembrar
       O lugar que fui criado.
 
AM-Uma galinha se "espojando"
        Na tarde que vai chover
        Uma cabra sem querer
        O cabrito apojando
        Por cima dele pulando
        Correndo pra lado
        E o cabrito agarrado
        Na teta para mamar
       Tudo isso faz lembra
       O lugar que eu fui criado

MT-Depois de fazer manobra
       A saúva de sopapo
       Caiu na língua do sapo
       Que entrou na boca da cobra
       Niguém interfere a obra   
       Do gavião Preparado
       O pinto vira finado
       Se no bote ele pensar
       Tudo isso faz lembrar
       O lugar que fui criado.

domingo, 31 de março de 2013

Homenagem à Elmano Rodrigues,divulgador da cultura.



É grande intelectual
Age por convicção
E supre o bom cidadão
De alimento espiritual
Num trabalho especial
E num foco soberano
Essa nobre criatura
Semeador da cultura
É com certeza o Elmano

Eu tenho que exaltar
Um professor renomado
Com uma alma salutar
Livros vive a espalhar
Durante o mês e o ano
Rodrigues é seu sobrenome
E o seu prenome é Elmano.

Uma homenagem de Fátima de Dom Quintino

CASAMENTO DE CABÔCO BRABO



      Eu  me criei ouvindo o meu avô contar histórias que aconteceu no seu tempo e outras que tinha escutado dos seus pais.

       Era costume todos os dias o meu avô Nicolau, depois que chegava da roça e jantar o angu com raspa de rapadura, fazia um cigarro de fumo (produzido pelo próprio), se deitava no alpendre, no pé de parede, vestia os pés com um surrão (saco de estopa), reclinava a cabeça a cabeça num cepo de pau e ficava "pofando" ou deliciando aquele gostoso cigarro.

      Começava então a chegar gente e com pouco tempo o alpendre da casa do meu avô ficava lotado, de filhos, filhas, genros, noras e netos além de outras pessoas que moravam nos arredores que adoravam escutar as histórias do velho Nicolau, que muitas vezes deixava os meninos de boquiaberta.

      A minha avó (mãe véia), ficava assentada do lado do meu avô até chegar a hora de ir para o fogão fazer o tradicional café que virou tradição e sem esquecer o chá de folha de laranja para aqueles que não tomavam café.

      Estre tantas histórias que o meu avô contava tinha uma sobre "o casamento de caboco brabo" e ele descrevia assim: Quando uma caboca ia se casar pegava ela, deitava no chão depois deitava o noivo em cima, depois deitava as testemunhas,... e continuava deitando os parentes até a noiva gemer, só quando a noiva gemesse é que estava realizado o casamento. O pajé ficava assentado no chão ao lado para quando escutasse o gemido declarar o casamento realizado.

sexta-feira, 29 de março de 2013

sábado, 23 de março de 2013

Estamos ao vivo gente boa! Acompanhe o Gente da Gente pelo nosso blog, apenas clicando aqui!


Programa gente da Gente (Rádio Educadora)
Apresentação: Aldemá de Morais
Sorteio de Livros: "Remédios Caseiros" e "Frutas Desidratadas"
Oferta do Divulgador Cultural: Elmano Rodrigues 
Homenageado: Patativa do Assaré
Ganhadora: Severina (avó do poeta Cedecías)
Data: 09 de março de 2013


Respondeu a seguinte pergunta:
Lá na serra de Santana
Nosso poeta nasceu
Em uma humilde choupana
Seu advento ocorreu
Impossível condensar
Numa décima falar
Dizer tudo q'uele é:
O maior vate do mundo
O primeiro sem segundo:
PATATIVA DO ASSARÉ

Estrofe: Bastinha Job



Programa Gente da Gente (Rádio Educadora)
Apresentação: Aldemá de Morais
Sorteio Livros:
Remédios Caseiros e Frutas Desidratadas
Oferta do Divulgador Cultural Elmano Rodrigues
Homenageado: Luciano Carneiro
Ganhador: Paulo Tavares
Data: 23.02.2013

Respondeu a seguinte pergunta:
Da nossa Academia
Ele foi o pioneiro
E hoje com alegria
Faz um verso bem ligeiro
Decora tudo que faz
Seu nome ganhou cartaz
No Nordeste Brasileiro
Esse poeta pacato
Que reside aqui no Crato
É LUCIANO CARNEIRO

Estrofe: Mana 


Programa "Gente da Gente"
Sorteio dos Livros:
"Remédios Caseiros"  e  "Frutas Desidratadas"
Oferta de Elmano Rodrigues
Homenageado: Correinha
Ganhador: José Cavalcante (Conjunto Novo Crato)
Data: 09.02.2013

Respondeu a seguinte pergunta:
Nasceu em Farias Brito
No Crato veio morar
Um poeta popular
De talento e gabarito
Nas artes deixou escrito
Seu nome em dourada linha
Fez parte d'uma bandinha
Sobre as belezas do Crato
Compôs música, fez relato
É o mestre: CORREINHA.

Estrofe: Josenir Lacerda



"Programa Gente da Gente"
 Sorteio Livros:
"Remédios Caseiros"  e  "Frutas Desidratadas"
Oferta do Divulgador Cultural Elmano Rodrigues
 Homenageado: Huberto Cabral
 Ganhador: Francisco Alexandre Sobrinho - Rua Farias Brito - Juazeiro do Norte
  Data: 16.02.2013

Respondeu a seguinte pergunta:

Mente privilegiada
Q.I acima da média
Até com enciclopédia
A cabeça é comparada
Nela mantém registrada
História antiga e atual
Memória fenomenal
Grande cerimonialista
Seu jeito calmo conquista
o nome dele é CABRAL.

Estrofe: Josenir Lacerda